Para uma mudança verdadeira, ‘precisamos de novos relacionamentos’ com o oceano, criação de Deus

por | jul 1, 2022 | Blog, Notícias e Atualizações | 0 Comentários

A chave para cuidar da criação de Deus não é ter soluções mais inovadoras que surgirão da Conferência dos Oceanos das Nações Unidas esta semana, nem um novo conjunto de metas que fossem resultado de conferências vitais da ONU ainda este ano.

Em vez disso, para realmente cuidar da nossa casa comum, todos precisamos nos sentir conectados à criação de Deus e uns aos outros, disseram palestrantes de toda a Oceania em um evento paralelo não oficial à Conferência dos Oceanos da ONU na terça-feira.

O evento, intitulado “Oceania Talanoa: Fé, Indígenas e Natureza Moana Moldando e Salvaguardando Inovações do Mar” foi transmitido ao vivo de Lisboa, Portugal, a cidade anfitriã da conferência. O diálogo reuniu líderes católicos e povos indígenas de toda a Oceania para compartilhar como se conectam com o oceano e a criação de Deus, e como os católicos em todos os lugares podem “sacudir” o status quo.

ASSISTA: Oceania Talanoa: Fé, Indígenas e Natureza Moana Moldando e Salvaguardando Inovações do Mar

O Pe. Pedro Walpole, SJ, Coordenador Global para a Ecojesuit, Diretor de Pesquisa em Ciências Ambientais para a Mudança Social, e Coordenador de Rede para a Rede Eclesial River Above Ásia Oceania, disse: “Se não sentimos isso aqui [no coração], não vai importar quanto ou quão pouco temos no bolso. Não vamos mudar. A mudança, como continuamos ouvindo dos jovens de hoje, deve ser já, não daqui a 30 anos. Precisamos de uma mudança já.”

O Pe. Walpole explicou que a saúde dos oceanos é fundamental para a saúde de todas as espécies, especialmente os seres humanos; portanto, todos nós devemos cuidar dela. Os oceanos geram 50% do oxigênio que respiramos e absorvem 25% de todas as emissões de dióxido de carbono, segundo a ONU. Quase 2,4 bilhões de pessoas vivem a cerca de 30 quilômetros de algum litoral.Mas os oceanos estão sofrendo. Um planeta mais quente está causando o aumento do nível do mar, e os seres humanos despejam cerca de oito milhões de toneladas métricas de plástico nos oceanos todos os anos. Esse plástico está sufocando os recifes de coral e ameaçando de extinção as milhares de espécies que compõem esse ecossistema.

“Precisamos de novos relacionamentos, mas a menos que os consumidores se conectem com essa realidade, seremos afogados”, disse o Pe. Walpole.

O Arcebispo Peter Loy Chong, da Arquidiocese de Suva, Fiji, aprofundou a compreensão dos participantes sobre a “conversão ecológica” necessária. Ele citou o Papa João Paulo II, o Papa Bento XVI e o Papa Francisco. Todos os três papas compartilharam a mesma preocupação urgente com a destruição da criação de Deus.

O Papa Bento XVI disse: “Os desertos exteriores multiplicam-se no mundo, porque os desertos interiores tornaram-se tão amplos.” Na Laudato Si’, o Papa Francisco ecoa o Papa João Paulo II e convida todos a passarem por uma “conversão ecológica” na qual os efeitos de seu encontro com Jesus Cristo se tornam evidentes em sua relação com o mundo ao seu redor.

D. Chong, atual presidente da Federação das Conferências dos Bispos Católicos da Oceania, disse: “Qual é a linguagem que atinge o coração das pessoas, o coração que produz mudanças? Porque a mudança começa com o coração. Se existe uma linguagem que pode atingir o coração, então você pode ver a mudança que vai se expandir para a mente.”

Outros palestrantes compartilharam depoimentos emocionantes sobre como suas vidas foram moldadas por um oceano próspero. Theresa Ardler, Oficial de Ligação de Pesquisa Indígena da Universidade Católica Australiana, cresceu em uma comunidade de pescadores aborígenes. “É realmente muito bonito ainda ter essa forte conexão com o oceano, fico muito orgulhosa. Está muito presente no meu coração”, disse ela.

Pelenatita Kara, Gerente de Programa do Fórum da Sociedade Civil de Tonga, descreveu como é ter um relacionamento pessoal com a criação de Deus. O oceano é a última coisa que ela ouve antes de dormir e a primeira coisa que ouve pela manhã. “Sabemos quando ele está mal-humorado. Perto da temporada de ciclones, você pode ouvir o mar ondulando fortemente”, disse ela.

Tevita Naikasowalu, Coordenador de Justiça, Paz e Integridade da Criação da Sociedade Missionária de São Columbano em Fiji, comparou o oceano a uma mãe cuidando de seus filhos. Toda a sua ilha é cercada pelo oceano. “Tudo o que precisamos é do oceano”, disse ele. “Ele pode falar com você de verdade se você aprender a escutar.”

A Irmã Dra. Robyn Reynolds, OLSH, Professora Titular da Yarra Theological Union, lembrou-se de Gênesis 1, 2: “A terra estava sem forma e vazia; as trevas cobriam o abismo e o Espírito de Deus pairava sobre as águas.

Continuou a irmã Reynolds: “Gosto de lembrar disso e pensar que, em cooperação com o espírito divino que respira sobre as águas, essa é nossa tarefa, nosso privilégio, nossa oportunidade. Respirar sobre as águas não só de forma contemplativa, mas de maneira prática e diária, para junto com nossas famílias, nossas comunidades, nossas igrejas, encontrar maneiras de trazer uma nova vida aos nossos oceanos.”

O evento foi moderado por Amy Woolam Echeverria, Diretora Internacional de Justiça, Paz e Integridade da Criação para os Missionários de São Columbano e Co-coordenadora da Força-Tarefa de Ecologia da Comissão de Covid-19 do Vaticano.

Jonathon Braden
Jonathon Braden

Escritor
Nebraska, EUA
Jonathon Braden tem mais de 10 anos de experiência em escrita e comunicação. Ele busca contar a história do GCCM.

5 1 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comments
Inline Feedbacks
View all comments