O Melhor Resumo da Laudato Si’

por | jun 15, 2022 | Blog, Notícias e Atualizações, Papa Francisco, Semana Laudato Si'

Qual é o melhor resumo da Laudato Si’? Temos muitas opções.

Mas, para falar a verdade, a melhor maneira de entender completamente os ensinamentos da Laudato Si’ e do Papa Francisco não é lendo um resumo da Laudato Si’: é lendo e estudando toda a carta encíclica de 184 páginas. Para realmente entender as mensagens do Papa Francisco, você precisará ler a Laudato Si’ mais de uma vez.

Mas também pode ser útil rever um resumo da encíclica de tempos em tempos e lembrar-se de como o Papa Francisco, confiando em milhares de anos de ensino católico, nos convida a todos a viver nossa fé cuidando da nossa casa comum.

Abaixo, o Movimento Laudato Si’ compilou uma série de resumos úteis da Laudato Si’ que, quando colocados em ação, ajudarão você a dar vida à encíclica do Papa Francisco em sua comunidade.

Também estamos compartilhando nosso próprio resumo da Laudato Si’: sobre o que ela trata, por que é tão importante e como podemos dar vida à Laudato Si’.

Resumo da Laudato Si’ – O que é a Laudato Si’?

Laudato Si’ é uma encíclica do Papa Francisco publicada em maio de 2015. Ela trata do cuidado com o meio ambiente e com todas as pessoas, bem como de questões mais amplas da relação entre Deus, os seres humanos e a Terra. O subtítulo da encíclica, “Sobre o Cuidado da Casa Comum”, reforça esses temas-chave.

Uma encíclica é uma carta pública do Papa que desenvolve a doutrina católica sobre um tópico, muitas vezes à luz de eventos atuais. A Laudato Si’ é dirigida a “toda pessoa que habita este planeta”. (LS 3) Por isso, é oferecida como parte de um diálogo contínuo dentro da Igreja Católica e entre católicos e o mundo.

O que significa Laudato Si’?

O título de uma encíclica é normalmente tirado das primeiras palavras do documento. Ou seja: as encíclicas não recebem um título tópico, mas são nomeadas por sua expressão de abertura, muitas vezes sugestiva do tema principal da obra.

As primeiras palavras da Laudato Si’ são italianas e traduzidas como “louvado sejas”. São uma citação do Cântico das Criaturas de São Francisco de Assis, que abre a encíclica, no qual o santo louva a Deus meditando sobre a bondade do sol, do vento, da terra, da água e de outras forças naturais.

A escolha dessa passagem para iniciar a Laudato Si’ é um lembrete de como as pessoas de fé devem não apenas respeitar a Terra, mas também louvar e honrar a Deus por meio de seu envolvimento com a criação.

El mejor resumen de Laudato Si'

Resumo da Laudato Si’: Quais são as principais seções da encíclica?

A Laudato Si’ é dividida em seis capítulos, que podem ser lidos em um período de 20 a 30 minutos cada. A encíclica completa está disponível online no site do Vaticano

  • O “Capítulo Um: O que está acontecendo em nossa casa” resume o escopo dos problemas atuais relacionados ao meio ambiente. As questões discutidas incluem poluição, mudanças climáticas, escassez de água, perda de biodiversidade e desigualdade global.
  • O “Capítulo Dois: O Evangelho da Criação” baseia-se na Bíblia como fonte de descoberta. As histórias da criação do Gênesis são interpretadas como uma ordem para o cultivo responsável e a proteção da natureza. As tentativas passadas de justificar a dominação humana absoluta de outras espécies não são “uma interpretação correta da Bíblia” (LS 67). O mundo natural é ainda retratado como uma dádiva, uma mensagem e herança comum de todas as pessoas.
  • O “Capítulo Três: A Raiz Humana da Crise Ecológica” explora tendências sociais e ideologias que causaram problemas ambientais. Estes incluem o uso irrefletido da tecnologia, um impulso para manipular e controlar a natureza, uma visão dos seres humanos como separados do meio ambiente, teorias econômicas de foco estreito e relativismo moral.
  • O “Capítulo Quatro: Uma Ecologia Integral” apresenta a principal solução da encíclica para os problemas sociais e ambientais em curso. A ecologia integral afirma que os humanos são parte de um mundo mais amplo e exige “soluções integrais que considerem as interações dos sistemas naturais entre si e com os sistemas sociais” (LS 139). Embora o estudo dos ecossistemas tenha se tornado bem conhecido na ciência da ecologia, a ecologia integral expande esse paradigma para incluir as dimensões éticas e espirituais de como os seres humanos devem se relacionar uns com os outros e com o mundo natural – com base na cultura, família, comunidade, virtude, religião e respeito pelo bem comum.
  • O “Capítulo Cinco: Algumas Linhas de Orientação e Ação” aplica o conceito de ecologia integral à vida política. Pede acordos internacionais para proteger o meio ambiente e ajudar os países de baixa renda, novas políticas nacionais e locais, tomadas de decisão inclusivas e transparentes e uma economia ordenada para o bem de todos.
  • Por fim, o “Capítulo Seis: Educação e Espiritualidade Ecológicas” conclui a encíclica com aplicações à vida pessoal. Recomenda um estilo de vida focado menos no consumismo e mais em valores atemporais e duradouros. Propõe educação ambiental, alegria no ambiente de cada um, amor cívico, recepção dos sacramentos e uma “conversão ecológica” na qual o encontro com Jesus leva a uma comunhão mais profunda com Deus, com as outras pessoas e com o mundo natural.

Leia mais: Qual é o melhor resumo da Laudato Si’?

Como a Laudato Si’ se relaciona com a doutrina católica do passado?

O Papa Francisco não é o primeiro a abordar questões ambientais. O Papa São João Paulo II ensinou em várias ocasiões sobre o dever de tutela da natureza. Por exemplo, em sua encíclica Centesimus Annus, João Paulo II escreveu sobre a natureza como um dom de Deus e a necessidade de os seres humanos cooperarem com Ele na promoção do florescimento do meio ambiente corretamente ordenado (CA 37). Além disso, a Centesimus Annus delineou uma conexão entre a ecologia natural e a “ecologia humana” (CA 38), antecipando o conceito de ecologia integral da Laudato Si’. O Papa Bento XVI ecoou esses mesmos ensinamentos durante seu papado, por exemplo, em sua encíclica Caritas in Veritate (ver CV 48-52).

Conforme delineado na Laudato Si’, a visão de uma abordagem integrada da preocupação com todas as pessoas e com o meio ambiente tem raízes nas Escrituras e na história do pensamento católico, em particular na tradição da Doutrina Social da Igreja, que remonta ao final do século XIX. Além disso, estudiosos e ativistas católicos têm falado abertamente sobre a conexão entre questões sociais e ambientais por muitos anos.

O que é único na Laudato Si’ é como o Papa Francisco desenvolve e expande esses temas longamente e de maneira altamente proeminente, dedicando uma encíclica inteira ao tema num momento em que o mundo também está se engajando ativamente na busca da sustentabilidade ambiental.

O que a Laudato Si’ diz sobre as mudanças climáticas?

As mudanças climáticas são um dos temas mais proeminentes associados à Laudato Si’, tanto porque a encíclica fala em detalhes sobre o imperativo moral de enfrentá-las quanto porque a ameaça da crise climática se tornou mais grave desde sua publicação.

Ela reafirma o “consenso científico muito consistente” de que as mudanças climáticas estão ocorrendo, bem como a evidência de que a atividade humana é o principal motor do aquecimento global (LS 23). As mudanças climáticas são “atualmente um dos principais desafios para a humanidade” (LS 25).

Além disso, a encíclica enfatiza que os esforços existentes para reduzir as mudanças climáticas têm sido profundamente inadequados. Isso porque “muitos daqueles que detêm mais recursos e poder econômico ou político parecem concentrar-se sobretudo em mascarar os problemas ou ocultar os seus sintomas” (LS 26).

Por sua vez, são delineadas várias maneiras de abordar a emergência climática e a crise da biodiversidade. Estas incluem uma redução drástica nas emissões de carbono e de outros gases de efeito estufa, o desenvolvimento de fontes de energia renovável e capacidade de armazenamento relacionada, e uma transição para métodos de produção e transporte energeticamente eficientes (LS 26). Por exemplo, uma mudança de carvão e petróleo para energia solar e eólica incorporaria essas recomendações. O aumento da proteção das florestas tropicais também é discutido (LS 38-39).

O que a Laudato Si’ diz sobre os pobres?

Um tema-chave da Laudato Si’ é que os esforços para reduzir as mudanças climáticas e ajudar as pessoas em situação de pobreza não devem ser colocados uns contra os outros, mas sim perseguidos como um projeto unificado.

Seria errado reduzir as emissões de uma forma que prejudicasse os marginalizados da sociedade ou colocasse um fardo excessivo sobre países muito pobres. Como afirma a encíclica: “Não há duas crises separadas: uma ambiental e outra social; mas uma única e complexa crise sócio-ambiental. As diretrizes para a solução requerem uma abordagem integral para combater a pobreza, devolver a dignidade aos excluídos e, simultaneamente, cuidar da natureza” (LS 139).

Espera-se que os países de baixa renda sofram os piores efeitos das mudanças climáticas e precisem de assistência financeira para fazer a transição para práticas sustentáveis ​​(LS 25). Assim, há o dever de os países ricos assumirem a liderança na redução de suas próprias emissões e na oferta de recursos aos países em desenvolvimento que desejam fazer o mesmo (LS 170-173). A Laudato Si’ também observa como as mudanças climáticas causarão um aumento no número de migrantes que deixam suas casas destruídas pela degradação ambiental e pede que as pessoas acolham e apoiem esses refugiados ambientais (LS 25).

O que a Laudato Si’ pede para as pessoas fazerem?

O Capítulo Seis da Laudato Si’ descreve os passos que uma pessoa pode dar no processo de conversão ecológica. Eles incluem oração e contemplação, aprender mais sobre a natureza, observância do dia de descanso sabático e participação reduzida em formas materialistas de cultura de consumo. Um passo tão simples quanto agradecer na hora das refeições (LS 227) pode ser um lembrete da ecologia integral e da relação de um indivíduo com Deus, a natureza e as outras pessoas.

A maioria dos católicos tem memórias e experiências positivas da natureza, mas podem não tê-las conectado à sua fé, então os conselhos desta seção podem ser úteis para vincular a espiritualidade à consciência ambiental.

Além disso, a encíclica deixa claro que muitos problemas ambientais se estendem para além dos indivíduos, por sistemas econômicos e políticos mais amplos. Esse é um fato que pode ser difícil de se pensar.

Mesmo que cada leitor da encíclica se tornasse ambientalmente engajado em sua mentalidade e estilo de vida pessoal, isso não seria suficiente para deter problemas como a crise climática e a poluição. Isso porque as principais decisões que impactam a disponibilidade de energia renovável e práticas sustentáveis ​​não são tomadas por indivíduos, mas por governos e grandes corporações.

Assim, é importante que as pessoas de fé se envolvam na política e trabalhem estrategicamente por uma mudança positiva. Parte disso pode acontecer em nível local, por meio da formação de cooperativas de energia renovável e iniciativas semelhantes (LS 179). Outros trabalhos podem ser realizados por meio de grupos não governamentais de mobilização, como o Movimento Laudato Si’. Além disso, a encíclica convida os católicos a entrar na arena da política nacional e internacional, contrariando o incentivo para os líderes priorizarem ganhos de curto prazo e, em vez disso, defendendo políticas que apoiem os desfavorecidos e promovam o bem comum de longo prazo (LS 178).

O que a Laudato Si’ prevê para o futuro?

A Laudato Si’ descreve um amplo espectro de possibilidades para o próximo século. É estimulante em sua discussão sobre as ameaças que os seres humanos e o meio ambiente enfrentam.

Muitos dos problemas pesquisados ​​teriam sido muito mais fáceis de resolver 30 ou 40 anos atrás e agora já estão causando danos generalizados. No entanto, a encíclica também oferece esperança – tanto nas políticas específicas que recomenda quanto em sua promessa de ecologia integral, uma visão nova e mais satisfatória da política, da economia e da vida cotidiana.

Ela afirma: “Mas nem tudo está perdido, porque os seres humanos, capazes de tocar o fundo da degradação, podem também superar-se, voltar a escolher o bem e regenerar-se, para além de qualquer condicionalismo psicológico e social que lhes seja imposto.” (LS 205)

Por essa razão, “enquanto a humanidade do período pós-industrial talvez fique recordada como uma das mais irresponsáveis da história, espera-se que a humanidade dos inícios do século XXI possa ser lembrada por ter assumido com generosidade as suas graves responsabilidades” (LS 165). Também podemos considerar que a conversão ecológica não é um processo puramente humano, mas um encontro com Deus que leva a uma mudança cheia de graça ao coração e à mente. É esse tipo de experiência que a Laudato Si’ recomenda como caminho para que as pessoas de fé comecem a caminhar rumo a um mundo melhor e mais solidário.

Como se envolver e mais informações sobre o que é a Laudato Si’

Christopher Rice
Christopher Rice

Christopher Rice é professor adjunto de Filosofia na Lynn University em Boca Raton, Flórida, EUA. Seus interesses acadêmicos incluem o bem-estar humano, ética ambiental e a Doutrina Social da Igreja.

0 comentários